A informática e a educação

A informática na educação tem sido um instrumento de inovação e uma aliada no processo de ensino e aprendizagem. Essa é a área de pesquisa, desenvolvimento e de formação de recursos humanos sobre o uso das tecnologias da informação e da comunicação (TIC) como uma tecnologia educacional.

No atual momento, não é possível desvincular educação e informática, visto que as tecnologias têm influenciado todas as esferas sociais e não é diferente com a educação.

Seja por meio das mídias ou pela crescente indústria das comunicações, a informática está inserida no cotidiano de crianças, jovens e adultos.

Nesse artigo, vamos falar sobre a informática na educação e seus efeitos sobre a mesma.

História da informática na educação

A informática na educação brasileira recebeu influência de outras culturas. Chegou em nosso país, na década de 80, o movimento que ficou conhecido como Filosofia e Linguagem LOGO. Esse movimento, liderado por Papert, defendia que o computador é um instrumento que catalisa conceitos complexos. Desse modo, o aluno poderia trabalhar esse conceito de maneira lúdica e simples. A partir desse entendimento desenvolveu-se uma linguagem de programação para crianças.

Nas décadas de 80 e 90, o Ministério da Educação e Cultura (MEC) começa também a se preocupar com o uso de programas que associassem educação e informática.

Nesse contexto, cita-se um evento importante que foi realizado em 1987 na Universidade de Brasília (I Seminário Nacional de Informática na Educação), que contou com a participação de especialistas nacionais e internacionais, constituindo-se no primeiro fórum a pesquisar o uso do computador como ferramenta auxiliar do processo de ensino-aprendizagem.

Outros programas de governo surgem para estabelecer relação entre a educação e a informática, como: Programa Nacional de Informática na Educação (PRONINFE-1990), Programa de Informática na Educação (ProInfo-1997) e o e-Proinfo (1997).

Hoje, apresentam-se duas vertentes de trabalho: o computador ensinando o aprendiz, considerada como instru-cionista ; e a outra, na qual o aprendiz ensina o computador, gerenciando sua própria aprendizagem, denominada construcionista.

A primeira abordagem, quando o computador ensina o aluno, é fundamentada nos métodos de instrução programada tradicionais e, ao invés do papel ou do livro, é usado o computador. Os softwares mais utilizados nessa abordagem são tutoriais, exercício-prática e jogos educacionais. Já na segunda abordagem, quando o aprendiz ensina o computador, são utilizados os softwares abertos e as linguagens de programação, que permitem ao aprendiz expressar a resolução de um problema.

Na verdade, podemos utilizar o computador como um recurso para potencializar a aprendizagem, como uma possibilidade para mudar o paradigma educacional vigente, utilizando-o no desenvolvimento de projetos.

Você pode saber mais sobre esse assunto na nossa plataforma de cursos Sóeducador

Informática na educação não é uma realidade para todos

Ao introduzir à informática na educação, surgem várias questões relacionadas à acessibilidade, como também, à capacitação de profissionais para atuar nessa área. A era da informatização ainda não é uma realidade para todas as escolas brasileiras.

Em uma pesquisa publicada no site do Correio Braziliense, foi divulgado que 28% das escolas localizadas em áreas urbanas têm ambiente ou plataforma virtual de aprendizagem. Essa porcentagem é maior entre as escolas privadas, 64%. O número aumentou em relação a 2018, quando 47% das particulares possuíam esse serviço. Já entre as públicas esse percentual, que era 17% em 2018, caiu para 14% em 2019.

Outros números são:

Entre os estudantes, 83% daqueles de escolas urbanas têm acesso a rede. Essa porcentagem cai para  78% na Região Nordeste e para 73% na Região Norte. Em casa, 41% têm computador portátil, 35% computadores de mesa e, 29%, tablet. Ao todo, 18% dos estudantes acessa a internet exclusivamente pelo celular. Essa porcentagem é maior considerando apenas os estudantes de escolas públicas, 21%, e considerando a Região Norte, 26%, e Nordeste, 25%. Nas particulares, apenas 3% acessam a internet exclusivamente pelo celular.

Nas escolas rurais, a realidade é diferente, 40% das escolas têm ao menos um computador com acesso à internet. Apenas 9% acessam a rede por meio de outros dispositivos.
A pesquisa mostra também que 33% dos professores de escolas urbanas afirmam ter recebido formação sobre computador e internet recentemente. Já 79% dizem que a ausência de curso específico para o uso dessas tecnologias nas aulas dificulta o ensino.

A informática na educação e a BNCC

A BNCC, na competência geral 5, descreve a sua perspectiva sobre a informática na educação.

“Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares) para se comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos, resolver problemas e exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva.” (BNCC, 2018)

Para a BNCC, a informática na educação é uma maneira de produzir conhecimento. No passado, antes da ascensão das tecnologias digitais, o acesso a informática era algo raro na vida dos alunos, hoje essa realidade é bem diferente. A era digital entrou na vida de crianças e jovens de uma maneira intensa e, por isso, é necessário instrui-los para que o uso dessa tecnologia seja de forma responsável, de modo a beneficiar a si mesmo e à sociedade.

Referências:

Base Nacional Comum Curricular. BNCC. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/  Acesso em: 28 de set de 2022.

ERAILSON, Sebastião. A Informática Educativa no Brasil: Breve histórico. Informática Aplicada.

Disponível em: https://informaticaaplicada.webnode.com.br/a-informatica-educativa-no-brasil-breve-historico/  Acesso em: 27 de set 2022.

ELIA, Marcos da Fonseca. A História da Informática na Educação no Brasil: uma narrativa em construção. In: SANTOS, Edméa O.; SAMPAIO, Fábio F.; PIMENTEL, Mariano (Org.). Informática na Educação: sociedade e políticas. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2021. (Série Informática na Educação CEIE-SBC, v.4) Disponível em: https://ieducacao.ceie-br.org/historiainformaticaeducacao  Acesso em: 27 de set. 2022

Maioria das escolas brasileiras não tem plataformas para ensino online. Correio Braziliense. Publicado em 9 de jun. 2020. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/eu-estudante/ensino_educacaobasica/2020/06/09/interna-educacaobasica-2019,862410/maioria-das-escolas-brasileiras-nao-tem-plataformas-para-ensino-online.shtml Acesso em: 27 de set 2022.

POSSOLI, Vesce Gabriela. A história da informática na educação. Infoescola. Disponível em: https://www.infoescola.com/educacao/historico-da-informatica-na-educacao/  Acesso em: 27 de set. 2022

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *